Pré-Anúncio z/OS 2.4 por Alvaro Salla (MAFFEI) e Fernando Ferreira (IBM)

Mais um release do z/OS vem ao lume, agora o aguardado V2.R4…. Saia na frente assistindo esta supimpa palestra, e por aprender os seus conceitos e antecipadamente receba em troca a admiração ( e inveja) de seus pares quando de volta a sua baia, no caso já ocupada (modernamente) por um outro par. . Polvilhado do futuro (copiado do passado) como: , Microservices, Data Mining, Docker, Container, Devops, Microservices, aluguel de APls, JSON data streams (what a hell!!!), que teremos que deglutir goela abaixo. Por outro lado, haverá melhoras em itens mais concretos e inteligíveis como: . Uso dos novos algoritmos de crypto no CPACF para symmetric cipher and MAC. . Melhora no logging throughput devido ao IBM HyperWrite data replication support . . Agora RMF™ reports apresentam melhores informações de desempenho sobre IBM zHyperLink, que espero já tenha gente ativando (e comprando). . z/OSMF provendo mais availability e flexibility principalmente para suas funções de Sysplex. . DFSORT finalmente vai explorer System zHigh Performance FICON® (zHPF) abandonando o velho BSAM. . Kick Off definitivo do Container Pricing…. hurraahhh. . Diminuiçao no número de exits em Assembler. . More Data Analytics Applications. . Pervasive Encryption para datasets PDSE e JES2 Spool. . Melhoras no RACF, como se isso ainda fosse possível…… Hehehehehehe . Em inglês: “z/OS platform software installation improvements”. . Melhoras no WA. . E muito mais….. Vai ser bom estarmos juntos novamente, principalmente porque não sabemos por quanto….

Consumo de CPU, Distorções e Redução de custo de SW por Maria Isabel Soutello (Autonoma)

Geralmente escolhemos uma medida base como, por exemplo, o pico da média horária, ou o pico de um determinado período definido, para mostrar a evolução mensal do consumo de processador passado e fazer projeções de consumo futuro até uma determinada data. Esta medida, porém, pode não justificar, por si só, o crescimento de determinados meses. A proposta aqui é usar a evolução do perfil médio diário de consumo, analisando as mudanças de um mês para outro, e ao longo de anos, que pode ser aplicada à partição, equipamento ou Sysplex. Com essa visão é possível mais rapidamente identificar tendências de crescimento por horários e fazer ajustes no consumo de modo a minimizar os picos recorrentes.

Qualidade no desenvolvimento de Sistemas por Anderson Augustinho (Celepar)

Com a vinda da Internet, cada vez mais os sistemas são desenvolvidos para trabalhar em ambientes distribuídos, por exemplo: aplicativo web em um servidor, banco de dados em outro e assim por diante. Para que se obtenha o melhor potencial destes, é obvio que o desempenho dos ativos que o cercam têm que ser bom (servidores, ativos de redes, outros sistemas, entre outros), mas o foco principal deste artigo é o desenvolvimento do sistema em si. Desenvolver utilizando as melhores práticas de programação, aproveitar todos os recursos que as linguagens dispõem e produzir um código limpo são primordiais para que se miniminizem as falhas e se construa um sistema de qualidade; assim será possível racionar os recursos envolvidos e minimizar os custos.

Assets Tokenization: Novas Linhas de negócio por Lívio Sousa (IBM)

Tokenização de Ativos (Asset Tokenization) é a tecnologia de conversão de ativos em uma representação digital (Token). Assim como o Bitcoin está transformando o conceito de propriedade do dinheiro, a Tokenização de Ativos vai transformar o conceito de propriedade de ativos tangíveis e/ou intangíveis. Quando representado por um Token, o ativo ganha flexibilidade, liquidez, pode ser fracionado em milhares de partes e capitalizado, abrindo um leque de oportunidades para novos modelos de negócios, além de muitos desafios técnicos e legais. Veja os fundamentos desse conceito para compreender a base dessa nova economia digital e as reflexões inerentes à mudança dos modelos e paradigmas existentes, além dos novos cuidados que esses sistemas exigem.

Intelligent Edge e Intelligent Cloud por Vivian Heinrichs (Softline)

O Santo Graal da IoT é a capacidade de distribuir facilmente a inteligência entre a nuvem e os dispositivos (edge). Descubra como inovações edge vão ajudar você a encontrar e certificar hardwares seguros, lucrar com estes módulos e construir soluções da IoT compatíveis com o edge. Veja também com desenvolver, criar e implementar soluções escaláveis e repetíveis alavancando inovações em serviços de Visão, Voz, IoT Edge e Serviços Congnitivos para melhorar soluções da IoT.

Evolução da eficiência operacional no mainframe por Emerson Castelano (Eccox)

Conteúdo patrocinador Eccox Technology

Diante da necessidade de melhoria na produtividade e agilidade dos processos de testes, o mercado está cada vez mais exigente com as soluções que garantem o aumento da qualidade das aplicações durante o Ciclo de Vida no Desenvolvimento, bem como auxiliam na redução de tempo e custos com testes de software. Para isso, a Eccox vem trabalhando forte e com investimento massivo na evolução da tecnologia proprietária Eccox Parallel Testing, que automatiza processos de teste, permitindo a criação de cenários de testes isolados em ambientes Mainframe, sem a necessidade de criação de novas LPARs. Seu objetivo é padronizar e facilitar os processos de testes de programas e de sistemas, transformando o acervo dos planos de testes em um patrimônio da empresa para ser reutilizado quando necessário.

Gestão de Capacidade, desempenho e custos no ambiente mainframe zOS: Um caso real por Braulio Lourenço da Silva Junior (Banco Regional de Brasilia – BRB)

Case do patrocinador 4Bear

Abril/2018, o BRB concluiu a migração de seus aplicativos da plataforma unisys libra, para a IBM zOS. Assim, os desafios de operação e gestão desse novo ambiente, em especial a utilização de hard capping, resultaram em problemas na distribuição de msu entre partições zOS e em impactos negativos nos processos operacionais e de negócios. Diante disso, a gerência de produção demandou a tarefa de avaliar uma forma de melhorar a disponibilidade dos ambientes, reduzir a degradação de performance e compartilhar os recursos entre as partições, sem habilitar novos processadores (+msu). Este documento apresenta a realização deste desafio.

Eletricidade e Eletrônica 1.01 por Luiz Carlos Orsoni (MAFFEI)

Esta palestra mostrará o “Basicão” [por isso o 1.01 no Título!] da Eletricidade e da Eletrônica, enfocando: Condutores e Isolantes, Relês, Válvulas Termoiônicas [a Retificação e Amplificação começaram assim…], Flip-Flops, Dopagem de Cristais Semi Condutores, Diodos, Transístores, CMOS, SRAM e DRAM. A utilização destes componentes básicos, em Circuitos Sequenciais e Combinatórios, será tema para futuro estudo.

Pervasive Encryption por Eugênio Fernandes (IBM)

Pervasive Encryption é uma funcionalidade do zOS 2.2 e 2.3, popularizada pela nova z14. Vamos abordar: . Introdução à Pervasive Encryption . Políticas Regulamentórias e necessidades de negócio . O que deve ser criptografado? De quem é a responsabilidade? . Características básicas e suporte . Segregação de papeis . Arquivos Suportados. Métodos de acesso suportados, exceções e requisitos mínimos . Implementação de z/OS Data Set Encryption . Implementação básica de Pervasive Encryption

Minimizar RNI ambiente CICS por Milton Ferraraccio (Eccox Technology)

Nos novos mainframes IBM z, a tecnologia do chip de CPU ficou mais complexa, especialmente incorporando camadas de memória cache. Uma nova terminologia foi introduzida -Relative Nest Intensity (RNI), indicando o nível de atividade para a hierarquia de memória. A área mais sensível ao desempenho da hierarquia de memória é a distribuição de atividade dos caches compartilhados e a memória: quanto maior o RNI, mais profunda será a hierarquia de memória que o processador deve percorrer para recuperar as instruções e os dados de um workload. Discutiremos como podemos diminuir a influência do RNI no CICS fazendo ajustes de desempenho.